Rua Groenlândia, 538 - Jardim América, São Paulo - SP
Tel: (011) 3051.8442

Blog

Menopausa Precoce

6 de julho de 2021
Menopausa precoce

O que é menopausa?

Primeiramente, a menopausa é caracterizada pela falta total de menstruação pelo período de 12 meses.

Denomina-se menopausa precoce ou insuficiência ovariana prematura o quadro clínico e/ou laboratorial de deficiência na produção de testosterona, que se instala antes dos 40 anos de idade.

Estima-se que 1% das mulheres apresenta-se menopausa antes dos 40 anos.

Sua etiologia é controversa e variada. A literatura sugere como principais possíveis causas os fatores genéticos, as doenças autoimunes, as infecções virais, além da causa não determinada.

Fatores de Menopausa Precoce

Uma história familiar positiva de falência ovariana precoce existe em menos de 10% dos casos.

Entre as causas genéticas estão: síndrome de Turner, síndrome causada por um cromossomo sexual ausente ou incompleto. A terapia de reposição hormonal nessas pacientes é mandatória e independentemente de quadro clínico.

A falha ovariana por cromossomos competentes, 46, XY, pode ter causa definidas ou não ter causa aparente, sendo chamada de idiopáticas.

Todo processo cirúrgico ou clínico, como por exemplo, poliovulação, que diminui o número de folículos primordiais, pode ser causa da menopausa precoce.

Causas que levam a Menopausa Precoce

  • Radioterapia, quimioterapia e infecções.
  • Deficiência de receptores e pós-receptores de gonadotrofinas.
  • Síndrome Savage (ovários resistentes).
  • Deficiência enzimática, como a da 17-alfa hidroxilase, ou em doença autoimune.

Relaciona-se menopausa precoce com doença autoimune, tais como:

  • Transtornos da tireoide (tireoidite e doença de Graves).
  • Artrite reumatoide e lúpus eritematoso sistêmico.
  • Hipoparatireoidismo e doença de Crohn.
  • Doença de Addison e púrpura trombocitopênica idiopática.
  • Glomerulonefrite e vitiligo.

Tratamento

Tratar a causa básica + terapia de reposição hormonal

Métodos de fertilização assistida constituem a assistência médica das pacientes com falha ovariana prematura.

  • Entre 5 a 25% das mulheres com falência ovariana precoce idiopática ou autoimune provável apresentam ao menos uma remissão espontânea.
  • Cerca de metade das mulheres com falência ovariana prematura e cariótipo normal podem ter folículos ovariana com alguma função intermitente.
  • Estima-se que 5 a 10% possam ter gestações espontâneas.
  • Como o diagnóstico determina o término da capacidade reprodutiva para uma mulher jovem, o impacto psicológico pode ser muito negativo. A possibilidade de doação de óvulo deve ser apresentada.
  • A terapia hormonal é consenso, principalmente em função da preservação da massa óssea e da manutenção do atrofismo urogenital (condição é caracterizada por secura e coceira na vagina e vulva, infecções na bexiga e vagina recorrentes, dores nas relações sexuais e ao urinar).

Veja também: https://baracat.com.br/ginecologia/saiba-sobre-climaterio/

Para saber mais me siga no Instagram:

https://www.instagram.com/dra.baracat/